Energia Renovável

O estado é referência mundial em energias renováveis. A participação dessas fontes de energia na matriz energética de São Paulo foi de 52% em 2011, especialmente por conta dos produtos da cana-de-açúcar e da hidreletricidade. O estado é o maior produtor de etanol de cana-de-açúcar do mundo. A meta do governo é aumentar – até 2020, tendo como base o ano de 2010 – a participação de energias renováveis na oferta interna de energia do estado para 69%, o que inclui energias hidráulica, solar, eólica e resíduos, biomassa, biogás, biodiesel e etanol.

A quase totalidade da frota de veículos na cidade de São Paulo – sete milhões – está apta a rodar a etanol. A pesquisa paulista sobre etanol de segunda geração é também das mais avançadas do mundo. Restrita até há pouco tempo a experiências isoladas de empresas e de grupos de pesquisa, a busca de novas técnicas para a produção de etanol tem mobilizado número crescente de pesquisadores, estimulados por políticas de pesquisa voltadas para ampliar a produtividade do etanol de cana brasileiro.

Quanto à energia elétrica, São Paulo é o maior mercado consumidor do país e representa cerca de 30% da demanda total brasileira. No território paulista, concentram-se 72 usinas hidrelétricas de grande e médio porte, além de 57 pequenas centrais hidrelétrica e ainda 377 pequenas centrais termelétricas (das quais 190 são de biomassa de bagaço de cana), com uma capacidade total instalada maior do que 21.000 MW (megawatt).

Saiba mais:
Secretaria de Energia (link)
Secretaria de Meio Ambiente (link)
Modelo de São Paulo em Etanol (publicação)