Energia

O estado de São Paulo é sustentado por uma oferta interna de energia já consolidada e com participação importante de fontes renováveis, em que os produtos da cana-de-açúcar respondem por 36,5% da oferta interna de energia utilizada no estado, e a eletricidade por 15,8%. O petróleo e seus derivados representam 33,3% e o gás natural, 7,6%.

O estado responde por 16% da capacidade instalada  para geração de energia hidrelétrica, por 44,7% da geração de eletricidade com biomassa da cana-de-açúcar e por 48,5% da produção de etanol no Brasil, o que faz de São Paulo uma potência em geração de energia renovável.

A qualidade nos serviços de eletricidade e a utilização racional de energia são pontos considerados como fundamentais na política energética desenvolvida e implantada no estado de São Paulo. Essas ações fazem com que a sociedade paulista usufrua dos melhores indicadores de qualidade no fornecimento do país e de expressivos investimentos em conservação de energia e na introdução de sistemas eficientes. Além de dispor de considerável conjunto de usinas hidrelétricas e da enorme capacidade de produção de etanol da cana-de-açúcar, São Paulo conta ainda com a reserva de hidrocarbonetos da Bacia de Santos, que engloba todo o litoral paulista, constituindo a região exploratória mais promissora da costa brasileira.

São Paulo é o terceiro maior produtor de petróleo do Brasil com cerca de 15 milhões de m³ por ano. O Estado também é responsável pela maior parte da carga processada do país e da produção dos principais derivados como gasolina, diesel, óleo combustível, GLP – gás liquefeito de petróleo, querosene de avião, coque e nafta, além de contar com cinco refinarias, que juntas são capazes de processar mais de 700 mil barris de petróleo por dia, aproximadamente um terço do refino nacional.

Em São Paulo, também se gera energia pelo reaproveitamento do metano de aterros sanitários. Em média, 39,307 toneladas/dia de resíduos sólidos urbanos são recolhidos (dados de 2015). O estado de São Paulo tem atualmente uma capacidade instalada de 70 MW com biogás de aterros sanitários, representando 60% do total do país. 

Para 2035, as projeções indicam que São Paulo produzirá 391 MWm de energia proveniente de resíduos sólidos, e 157 MWm de biogás proveniente de aterros. A soma é de 548 MWm – energia suficiente para atender uma metrópole de 1,5 milhão de habitantes.

(atualizado em 17/10/2016)

Saiba mais:
Secretaria de Energia (link)
Plano Paulista de Energia 2020 (publicação)
Atlas Eólico do Estado de São Paulo (publicação)
Levantamento do Potencial da Energia Solar Paulista (publicação)
São Paulo Modelo em Etanol (publicação)